3 de mai de 2016

Produtos Acabados Acessíveis

Coisas baratas e/ou fáceis de se encontrar
Usar um produto até o fim nunca foi um sacrifício para mim. Muito pelo contrário, sou do time de pessoas que não gosta de começar a usar algo novo, sem ter terminado o antigo antes. E isso mesmo quando não fico APAIXONADA pelo produto. Então, a menos que o produto seja ruim ou me faça algum mal, provavelmente eu irei usá-lo até o fim. Logo, aquela ideia de "vídeo de produtos acabados", que mostra o que realmente a pessoa gostou muito, talvez não funcione tanto assim comigo. Ainda assim, eu acho que vale a pena ver o meu vídeo sobre Produtos Acabados Acessíveis, porque só mostro coisas baratas e/ou fáceis de se encontrar - com exceção do creminho anti-sinais da Olay 7, que é baratinho, mas, aparentemente, não vende mais no Brasil - e dou minhas considerações sobre cada uma delas.

Esse vídeo sobre Produtos Acabados Acessíveis é um vídeo-teste. Estou em dúvida sobre continuar com esse quadro no canal no YouTube ou aproveitar que agora tenho SnapChat para postar esse tipo de conteúdo lá, conforme as coisas forem acabando. Portanto, desfrutem desse conteúdo no YouTube e me sigam no Snapchat - MiaFreiesleben - para não perder as cenas dos próximos capítulos.




Produtos citados e onde comprar:
Resenhas dos Produtos Citados:
 photo 4c2499ed-043f-49e5-a925-1fd92363242d_zps3fefb4dc.png

29 de abr de 2016

Livro Uma Pergunta por Dia

Livro Uma Pergunta por Dia
Desde criança, eu sempre gostei de escrever em diários. Escrevi até o final da adolescência e pensava que gostaria de lê-los quando ficasse mais velha - coisa que não fiz ainda, por preguiça.
Aos dezoito anos, minha vida começou a ficar mais ~complicada~ e eu percebi que escrevia mais coisas tristes do que felizes. Achei que a Mychelle do futuro não iria querer se lembrar de certas coisas e decidi parar de escrever diários. E nunca mais o fiz. Continuei escrevendo reflexões e pensamentos na internet, mas registrava cada vez menos os detalhes do meu dia-dia. 
A ideia de ter um diário nunca mais me foi atraente, mas, ao mesmo tempo, sentia falta de registrar alguma coisa mais pessoal.

22 de abr de 2016

São Paulo - Escape 60's

Escape 60's
Há algumas semanas, uma amiga minha decidiu comemorar o aniversário dela no Escape 60's. E só uma amiga muito querida poderia ser capaz de me fazer gastar R$79,00, por uma hora em um troço que eu não entendia direito do que se tratava. E continuei sem entender por um bom tempo, mesmo depois de ter escutado as instruções e entrado dentro da sala Assassin's Creed do Escape 60's da Vila Olímpia - pode me chamar de lerda, se quiser. Mas eu não fui a única que demorou meia-hora para entender do que se tratava aquilo ali. As outras quatro pessoas que estavam comigo, fizeram o mesmo
Todo mundo sabia que se tratava de um jogo de estratégia, onde deveríamos achar pistas e desvendar enigmas. Mas como exatamente?

21 de abr de 2016

Beyoncé: Estilo X Hipocrisia

Sobre ser você mesmo.
É muito comum que as pessoas se decepcionem com celebridades - e, hoje, com blogueiros e youtubers - por acharem que elas mudaram demais no decorrer dos anos. É realmente difícil sentir admiração por uma pessoa e vê-la abrir mão de algo que parecia tão legal, seja um ideal; um visual; um comportamento... Como podemos confiar em alguém que é capaz de mudar TANTO, não é mesmo?
Mas se pararmos para reparar mais de perto e compararmos com nossas próprias vidas, não será tão complicado assim entender o motivo de certas mudanças acontecerem. E é sobre isso que falo nesse vídeo, que foi inspirado em questionamentos e discussões a respeito da cantora Beyoncé. Confira!

 
 photo 4c2499ed-043f-49e5-a925-1fd92363242d_zps3fefb4dc.png

15 de abr de 2016

São Paulo - Espaço Kazu

Comida Japonesa
No último fim de semana, minha amiga Carla me levou para almoçar em um restaurante muito legal, localizado no bairro da Liberdade, aqui em São Paulo.  Trata-se do Espaço Kazu, um restaurante que é dividido em três ambientes: O restaurante com cardápio variado (sushis; sashimis; yakissoba; shimeji, entre outros); uma doceria e um restaurante só de udon.

Yakissoba
Comemos no espaço onde o cardápio é variado. Eu sempre fico confusa na hora de escolher comidas orientais, porque, apesar de adorar quase tudo o que já provei, não conheço praticamente nada. Mas acredito que os pratos quentes sejam o forte do Espaço Kazu, pois são grandes e baratos. Além de ter opções diferentes, que nunca tinha ouvido falar - não que eu seja parâmetro.
Diante da minha confusão, acabamos pedindo algo básico: um yakissoba misto, que tem carne e frango - também havia a opção de um ou outro e a opção de um yakissoba com frutos do mar. O prato é tão grande, que deu perfeitamente para deixar nós duas satisfeitas.
E uma curiosidade: O macarrão do yakissoba e do udon do Espaço Kazu é feito artesanalmente. Eu senti a diferença, é realmente muito gostoso!
Gastamos R$56,00 ao todo, contando refrigerante e taxa de serviço - mas não é obrigatório pagar a taxa de serviço

Doceria japonesa
A doceria fica no andar de cima (assim como o espaço de udon) e, após o almoço, fomos até lá. Os doces são todos muito lindinhos! Os mais fofos eram os pudins com rostos de bichinhos desenhados em cima - inclusive, mostrei no meu snapchat: MiaFreiesleben - mas acabei escolhendo uma mousse de chocolate branco com frutas vermelhas. O preço é meio salgado, aproximadamente R$9,00 - não me lembro com exatidão - mas vale MUITO a pena! 
Minha amiga pediu uma torta de chocolate. Ela costuma sempre escolher isso, então, é porque vale a pena também, né?

Para quem quiser conhecer mais essa descoberta de São Paulo, o Espaço Kazu fica na Rua Thomaz Gonzaga, 84/90 - Próximo à estação de metrô Liberdade. 

 photo 4c2499ed-043f-49e5-a925-1fd92363242d_zps3fefb4dc.png